ACONTECEU | Socioambiental

Congresso de Educação Ambiental aborda mudança de pensamento no trabalho do professor

FMO | 17/06/2019

Amor, espiritualidade, arte, criatividade, ética, ensinar a viver e estudo vivo foram as palavras que movimentaram as palestras do II Congresso de Educação Ambiental, que promove a Cultura de Paz e Espiritualidade.
O evento ocorreu em 25 de maio, na Fundação Mokiti Okada, em São Paulo SP.
O Congresso foi realizado pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Socioambiental SMASS, da FMO, e teve como palestrantes o ator João Signorelli o professor de artes, Jayse Antonio Ferreira a Profa. Dra. em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Viviane Mosé, e a pedagoga e Ma. em Educação pela Universidade de São Paulo USP, Camilla Schiavo Ritzmann.
Amor e espiritualidade, o amor pulsa, educa, transcende, encoraja, motiva e possibilita a vida. A espiritualidade se manifesta nos acontecimentos do dia a dia e influencia os campos político, econômico, educacional e profissional. Deus é o silêncio do universo e a humanidade é o grito que preenche este silêncio.
Foram algumas frases ditas durante o monólogo Gandhi, um líder servidor apresentado por João Signorelli.
Há mais de quinze anos, o ator transmite a mensagem de Mahatma Gandhi, por meio do monólogo, no âmbito educacional e corporativo. Ao final do espetáculo, ele entregou algumas rosas às mulheres que estavam na plateia e agradeceu os aplausos.
Arte e criatividade, classificado entre os 50 melhores professores do mundo, no Global Teacher Prize, em Dubai, este ano, e vencedor do 8º e 10º Prêmio Professores do brasil do Ministério da Educação MEC, em 2014 e 2017, respectivamente, Jayse Antonio Ferreira, motivou os professores com a apresentação dos seus projetos e da sua experiência de dez anos dedicados aplicação das diversas linguagens artísticas.
Eu sou uma obra de arte é o projeto que resgatou a autoestima e a valorização étnico-racial dos alunos. O professor, com a ajuda de docentes da Escola Estadual Erem Frei Orlando, em Itambé PE, onde leciona, reproduziu fotos de pessoas de vários países para mostrar a diversidade, tomando como referência o livro Face a Face uma jornada por povos do mundo, de Alejandro Szanto de Toledo. Ele utilizou material reciclável e recebeu o apoio de voluntários, que maquiaram e fotografaram os estudantes. Ao mesmo tempo, o comércio local emprestou roupas e adereços para compor as fotos.
A professora da Rede Municipal de São Paulo - SP, Maria de Fátima Coutinho Cardoso, declarou: _Eu tive que conter o choro. Foi maravilhoso ouvir o professor contar a história dos projetos, pelo fato dele ser do Nordeste, os níveis de aprendizagem lá são altíssimos e não ficamos sabendo.

Ética e ensinar a viver A psicóloga e professora doutora em Filosofia, Viviane Mosé, proferiu a palestra sobre o novo modelo de pensamento raciocínio em rede ir e voltar em vários pontos com isso, ela abordou transtornos psicológicos entre jovens conceitos do filósofo Friedrich Nietzsche Idade Média Modernidade ciência religião intelectualidade tecnologia fake News ética desenvolvimento da singularidade do ser e educação. A escola ensina a passar de ano, a passar no vestibular e a formar para o mercado de trabalho, mas não nos ensina a viver. O centro da educação não é o professor, é o aluno. Quando o professor ouve o aluno, ele desenvolve o amor, o olhar e a percepção, enfatiza.

Estudo vivo O progresso da sociedade não depende apenas da ciência material. É preciso começar a desenvolver, o quanto antes, a ciência do espírito Mokiti Okada.
Tomando como base o ensinamento, a mestra em Educação, Camilla Schiavo Ritzmann, apresentou alguns projetos das escolas que monitora e explicou a diferença entre estudo morto e estudo vivo. Aprender por aprender é estudo morto. Enquanto aprender algo para ser utilizado na sociedade é estudo vivo, afirma.
O participante e professor de Filosofia, da Universidade Federal do Maranhão UFMA, Diogo Silva Corrêa, diz Todas as falas tinham uma integração, um elo, na perspectiva de pensar a espiritualidade, a cultura de paz e a educação ambiental, a partir da mudança do pensamento do ser humano.

Congresso O congresso recebeu cerca de 200 educadores de diversos lugares do brasil. O coordenador da SMASS, Fernando Augusto de Souza, agradeceu a presença dos palestrantes, do público e da equipe envolvida na realização do evento.